Corporação Musical Santo Antônio  

      

Durante toda a trajetória da Sociedade Musical Santo Antônio nem sempre possuiu o apoio dos poderes públicos. Os recursos financeiros sempre foram escassos e os músicos geralmente eram pobres, não possuindo condições de comprar instrumentos. Infelizmente não possuíam incentivos. Por amor a arte musical, os músicos permaneciam formando a corporação que felizmente persiste nos dias atuais.

Além disso, o transporte da banda era sempre dificultoso pelo fato das estradas possuírem péssimos estados de conservação. Durante toda a existência da Sociedade Musical Santo Antônio, utilizaram como meio de transporte desde cavalos, carroceria de caminhão, jardineira e também ônibus.

Em 1970 a Sociedade Musical Santo Antônio encontrava-se em um momento difícil. Então, dois músicos solicitaram o auxílio do jornalista Ernesto de Souza (irmão do escritor consagrado chamado Orlando de Souza) que respondia pelo jornal "O Progresso". Com o apoio da Prefeitura Municipal conseguiu quitar a dívida referente aos aluguéis atrasados e também através de José Barcelos, conseguiu um terreno localizado a Rua D. Naná Kubitschek, no 30.

Então, Ernesto de Souza foi até a Assembléia Legislativa em Brasília e através do apoio de 4 (quatro) deputados conseguiu a verba necessária para a construção da sede da Sociedade Musical Santo Antônio.


Banda Santo Antônio sendo dirigida pelo Sr. Ernesto de Souza – década de 80

Como a Sociedade Musical Santo Antônio necessitava de novos instrumentos, Ernesto de Souza se empenhou para conseguí-los. Ele foi ao Ministério da Educação no Rio de Janeiro e conseguiu os 7 (sete) principais instrumentos. Os instrumentos foram entregues no Palácio das Artes na cidade de Belo Horizonte (MG). Depois, quando saiu publicado no jornal “O Estado de Minas” que o até então Governador do Estado Sr. Newton Cardoso iría doar novos instrumentos para as bandas mineiras, Ernesto de Souza ficou sabendo disso e resolveu escrever para o Governador. Ele conseguiu mais 3 (três) instrumentos musicais que buscou no Palácio da Liberdade na cidade de Belo Horizonte (MG). Além disso, através do Banco do Brasil, Ernesto de Souza conseguiu mais 10 (dez) instrumentos musicais que vieram da cidade de Vila Velha (E.S.).


Banda Santo Antônio – década de 80

Em 1970 há registro em Livro de Atas em que estava na regência José Policarpo da Cruz.

Desta data em diante há registro de todas as diretorias eleitas. O mesmo Livro data 1975 como regência de Francisco Policarpo da Cruz (1935-1997), que se estende até 1997, quando assumiu a batuta seu filho, o maestro Edvaldo Píndaro Policarpo.

Em 06/03/1975 é publicado o extrato do Estatuto no jornal "Estado de Minas Gerais", e em 06/05/1975 e 08/11/1976 são realizadas Reformas Estatutárias.

Em 01/06/1976, a Sociedade Musical Santo Antônio é declarada de Utilidade Pública

Em 11/05/1977 ocorreu o registro no CNSS.

Em 1978, para benefício da banda, foi adquirido maquinário no qual por vários anos foi impresso o jornal “O Progresso”, pelo jornalista Ernesto de Souza, que ocupou a posição de Diretor da Sociedade Musical Santo Antônio de 1970 a 1989.

Os uniformes usados quando da regência de Francisco Policarpo foram sucessivamente: nas cores marrom e bege, com boina, estilo militar; em dois tons de azul, calça e camisa; e uniforme de gala na cor vinho, usado ainda hoje.


Banda Santo Antônio prestigia a vinda do Governador Francelino Pereira dos Santos em Alvinópolis – 1980

    Veja fotos da Sociedade Musical Santo Antônio em Belo Horizonte (MG)

Desde a fundação da atual Sociedade Musical Santo Antônio pelo português, o Capitão Manoel Pereira da Silva, a banda participou de diversos eventos. Tocando nos circos e até no cinema, a banda também se apresentava a pedido em casas particulares. A banda Santo Antônio sempre foi muito conhecida. Além de todas as festas da cidade (“Mês de Maria”, “Festa de São Sebastião”, “Missa das 10 horas aos domingos”, festas cívicas, festas religiosas como a “Festa de N. S. do Rosário" e também as relacionadas ao futebol), a banda sempre foi convidada para tocar em todas as cidades vizinhas, mesmo mais distantes. Sob os auspícios do patrono Santo Antônio, a Sociedade Musical Santo Antônio mantêm uma escola de arte destinada ao aprendizado gratuito da música. Seu corpo musical tem desde jovens até antigos músicos e fizeram parte várias gerações de alvinopolenses.

A banda da Sociedade Musical Santo Antônio sempre teve a fama de ser uma das melhores bandas do Estado de Minas Gerais.

Durante os eventos, a banda recebeu troféus e medalhas que fazem parte da história da Sociedade Musical Santo Antônio. Dentre os troféus destacam-se a participação da Banda em “Encontros de Bandas” nas cidades de: Dom Silvério, Jaguaraçu, Formiga, Lafaiete, João Monlevade, Sete Lagoas, Miradouro, Além Paraíba, Piranha, Belo Horizonte, etc.


  Conheça a terceira página sobre a "Corporação Musical Santo Antônio" ou

Volte para página "Família Pereira da Silva" ou
Volte para página "Turismo e o folclore de Alvinópolis"